Banda

Felipe Pezzoni anuncia DVD em comemoração aos 40 anos da banda EVA e entrega novidades

Desde 2013 no comando da Banda Eva, um dos grupos mais tradicionais de axé do Brasil, Felipe Pezzoni enfrentou o desafio de substituir o carismático Saulo Fernandes, que foi vocalista da banda por 11 anos e introduziu uma sonoridade mais afro ao Eva. Após 5 anos da mudança, prestes a completar 6 à frente do Eva, durante entrevista por telefone, Felipe Pezzoni, consolidado como cantor de axé, entrega quais são as novidades da banda para 2019, revela que vem DVD em homenagem aos 40 anos do Eva e também comenta sobre a “crise do axé”!

Recentemente a banda Eva lançou a música “Rede”, que mistura música eletrônica com axé. Isso já é um presságio de um novo momento do grupo?

A música baiana sempre foi fusão de ritmos. Então, essa parceria nos deixou muito feliz. Tem mais influência até de música eletrônica do que música baiana, o feedback da galera está incrível. Desde o nosso primeiro show tentamos fazer misturas porque o axé é isso. É mistura rítmica porque sofremos uma infinidade de influências, como do funk, do sertanejo e nessa música fica evidenciado a da cena eletrônica. Estamos com muitas novidades para 2019 como o lançamento da faixa “Chame o Brasil pra Dançar”, que é uma canção mais carnavalesca, composta por Magary Lord, que sairá com um clipe incrível!

A Banda Eva comemorará 40 anos de história em 2019. O quem por aí?

Meu sonho seria que recriássemos o que foi o DVD de 25 anos, de fazer uma grande reunião de todos os vocalistas, como aconteceu na ocasião que reuniu Ivete Sangalo, Saulo Fernandes, Emanuelle Araújo, Luiz Caldas… Porém, como essa proposta já foi feita, acredito que não seja assim. Iremos gravar um DVD em comemoração aos 40 anos da Banda Eva em 2019, mas ainda sem data e local definido.

Você substituiu Saulo Fernandes, que fez história à frente da Banda Eva. Essa transição foi difícil?

Eu sabia que era transição e, digamos, a aceitação do público só viria com o tempo. Nós seres humanos às vezes não lidamos muito bem com mudanças. Saulo deixou um legado lindo com a Banda Eva. Confesso que os primeiros momentos para mim foram os mais delicados, mas após 5 anos no comando da banda, o público já consegue me enxergar como o novo Eva.

Nos últimos tempos por conta do surgimento de outros ritmos um assunto recorrente na música brasileira é a crise do axé. Você concorda com isso?

Acho que tudo se renova. Não diria que o axé vive uma crise. O que acontece é que nenhum segmento ficará no topo das paradas musicais por 20 anos. É óbvio que o momento de auge do axé já passou, mas ele segue com uma vitalidade enorme se misturando ainda mais com outros ritmos. A prova disso é que o Carnaval de Salvador continua sendo um dos maiores eventos do Brasil!

Publicações relacionadas

Papa Roach fala do novo álbum: “É nosso trabalho mais eclético”

Joás Sanct

Ópera rock mostra versatilidade e energia do novo Titãs

Joás Sanct

Reinaldo, ex-Terra Samba: “O axé perdeu espaço no Carnaval da Bahia”

Ana Amorim

Deixe um comentário